domingo, 19 de abril de 2009

O que nos faz correr?

Desde que me lembro que os Domingos, têm sido aqueles dias em que dou por mim a pensar na vida… e este, apesar de diferente de todos os outros, não difere nesta pequena característica. Dou por mim sentado numa pequena secretária, rodeado de manuais carregados de informação pronta a ser descoberta!!!

Da minha janela vejo a avenida Augusto Castro. Observo os carros que a percorrem em ambos os sentidos e penso: como é engraçado que uma avenida reúna num mesmo ponto de passagem tantas vidas com origens e destinos diferentes.

Mais à frente vejo a escola D. Dinis, aquele 'jardim' que pretende formar os Homens do amanhã. Mais ao fundo observo um aglomerado de prédios, cada um pejado de pequenas janelas. Em cada janela imagino um pequeno mundo. Pessoas que tal como eu também correm em direcção a ao que não sabemos o quê.

Imagino uma imensidão de diferentes quereres, que animados de uma vontade inata, capaz de mudar vidas e rumos… correm…

Mas porque corremos?

Olho o Tejo, o mesmo rio que, com as suas tágides, inspirou Camões, Pessoa e tantos outros e penso que já no tempo das descobertas, as perguntas seriam as mesmas. As mesmas questões que impregnaram a gente lusa de vontade e os encheram com a coragem necessária para enfrentar os mostrengos.

Será que o rio, quando nasce tem consciência da sua força e magnanimidade ao chegar à foz? Certamente que não. No entanto ele corre… À semelhança dos rios, também nós corremos. No entanto o nosso percurso não tem leito defO que nos faz correr - Meandros do rioinido. Mas como todos os rios, tem os seus meandros, que nos põem à prova. Ficamos num serpentear, que parece não nos deixar avançar. É aqui que nos diferenciamos como Homens. Ao contrário dos rios, temos a escolha de atingido determinado 'caudal'/estatuto nos deixarmos adormecer pelo embalo do serpentear da vida ou de em vez de nos represarmos, continuarmos a furar montanhas e chegar mais longe.

Neste momento sinto a vida a sorrir-me. Não que já não o sentisse antes… mas agora consigo ver-lhe os dentes. Porém agora que consigo ver mais longe, e uma infinidade de possibilidades sinto uma pequena ponta de 'insatisfação'.

Continuo sem saber porque corremos. Mas penso que, tal como o sonho comanda a vida, a insatisfação é o combustível do motor que nos mantém a correr e a querer sempre mais. Tal e qual o lema dos jogos olímpicos CITIUS, ALTIUS, FORTIUS.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Geocaching

Já há algum tempo que não postava no meu blogue. Desta vez quis ir além dos textos "lamechas" como alguém lhes chamou.

No passado dia 1 de Fevereiro fui fazer geocaching para os lados de Odivelas. Já tinha experimentado há uns anos em Sintra. Contudo desta vez a actividade revelou-se muito mais espetacular. Por isso, fica aqui o desafio: Agarrem num GPS e depois de consultarem o site oficial, partam à aventura. Acreditem é como no filme Never Ending Story.

Deixem de ser uns Muggles e vão Cachar!!!

2009_02_01 Geocaching

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Caminhos

Quantos caminhos nascem no dia a dia á nossa frente?

Imensos, será a resposta. Mas quantos nos propomos caminhar? Alguns, apenas.

A vida oferece-nos diariamente uma infinidade de caminhos e de opções. Muitos deles propomos-nos a percorre-los, crendo que nos conduzem aos objectivos por nós traçados.

Outros, sem nada esperar, surgem na nossa caminhada. São caminhos especiais, dos quais não se conseguem vislumbrar indicações. São caminhos que se constroem a cada passo dado. Que não sabemos onde nos levam e por quanto tempo os vamos percorrer. Mas certamente são caminhos que quando apostamos em percorre-los, nos fazem crescer e viver. Por isso ás interrogações "não sei onde isto vai dar..." só há uma resposta para dar...

"Caminhante não há caminho. O caminho é feito ao andar"

sábado, 1 de novembro de 2008

Esperando...

How much of life is wasted in waiting?

in Indiana Jones e o reino da caveira de cristal

sábado, 18 de outubro de 2008

Portugal

video

Dulce Pontes - Canção do Mar

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Por uma Foto...


Quantas vezes vamos a museus, exposições, espectáculos esperando observar algo que nos maravilhe e nos encante. É verdade, existem, um pouco por toda a parte, verdadeiras obras primas. Mas também a natureza reserva-nos os seus momentos encantadores. Como brindar-nos com uma noite de lua cheia, que enche todo um castelo de mitos e lendas...

E estes momentos merecem sempre que voltemos atrás, na nossa viagem, para os levarmos connosco...

domingo, 5 de outubro de 2008

Pôr-do-Sol


Estava na praia, e observava o Pôr-do-Sol. Há muito que não o fazia, há muito que não admirava tamanha beleza!

O Sol, aos poucos, descia sobre o horizonte... suavemente encostava a sua face sobre o firmamento... A timidez do seu gesto, fez corar o céu azul! Os seus tons de vermelho acusaram, pelo seu brilho, a lua curiosa. E as estrelas, timidamente foram aparecendo... primeiro uma, depois outra e mais outra... até que todas, vaidosas e cintilantes, a noite vestiram.

O Sol e o horizonte, ao seu leito haviam recolhido, deixando à lua a responsabilidade de alumiar o mar, a areia, e o coração.

Esta, não mostrou todo o seu rosto. Apresentou-se em quarto crescente! Aos poucos vence a timidez! Aos poucos amadurece! Enaltecida pela luz do Sol espera o seu momento. E eis que ele chega. O mar oculto, revela-se através da lua... o marulhar das ondas denuncia a sua agitação. E ao mesmo tempo sussurra, aos ouvidos, todo encantamento que encerra no seu interior.

Descobridor, parte o coração, iluminado pela lua, guiado pelas estrelas, à conquista do mar que ainda não é seu! Deixa-se guiar pelo que revelam as suas palavras, os seus gestos. Navega ainda á superfície encantado pela sua ternura. Quer ir mais além! Quer nele mergulhar e descobrir os segredos que escondem as suas profundezas! Quer nele mergulhar... quer nele encontrar... quer ele aconchegar... quer ele... o mar!

A vida reserva-nos diariamente momentos de singular beleza, basta querer ver.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Pontos de Vista!!!


Por vezes quando achamos que estamos no fundo do vale, verificamos que afinal, estamos no cima da montanha!

domingo, 28 de setembro de 2008

Sinfonia dos tempos modernos...

O avião tinha aterrado no aeroporto de Barcelona, há poucos minutos. Chegados ao local de desembarque, a manga encostou e as portas abriram-se. Todo o silêncio e pacatez que acompanhava a viagem, de repente terminou. As pessoas, rapidamente, levantaram-se dos lugares e começaram a pegar nas suas malas de mão e a ligarem os seus telemóveis...

E foi a partir deste momento que começou uma verdadeira sinfonia dos tempos modernos!!! De um momento para outro, o avião ficou inundando de pequenos sons de aviso de sms a chegar. Há-os para todos os gostos. A verdade é que á medida que aqueles sons se vão apoderando da atmosfera, também o semblante das pessoas muda. Todo aquele frenesim, momentaneamente desaparece. Todos param para ler a sua sms! Se bem que muitos, ao verificarem que não receberam uma, voltam ao que estavam a fazer mantendo a mesma expressão anterior; outros há, que levantam a cabeça com um sorriso na boca. E esses emprestam um novo ar aquele momento. Já fiz, algumas viagens de avião, mas esta foi a primeira vez que reparei neste pormenor....e foi giro!

Confesso que devo ter sido dos últimos a ligar o meu telelé, e também confesso, que após tanto tanto com o dito desligado, lá esperava a minha sms.... E lá chegou!!! :)

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Palavras Soltas...

Sou o que não falava,
Gosto do que Sonhava,
Amo o que amei
Caminho por onde não sei!

Chegou de mansinho,
Desbravei caminho,
Mas o que me pertenceu,
Depressa se fez seu!

E o que conhecia
Fez-me sentir que merecia.
Pincelou-me de verdade
Deixou-me a saudade!

Espero o amanhecer
Que faz desaparecer
Este meu sofrer;
Para de novo merecer,
Um novo Acontecer!

Fitando o horizonte
Busco de novo a Fonte
Que matou a sede minha
Naquela noite, Rainha!